• 925001450
  • info@recifealgarve.net

Artistas Do Invisível / A Delicate Activism

Artistas do Invisível – A Caminho de uma nova prática de Mudança

6 a 10 de Fevereiro de 2018 (dias completos de trabalho)

Evento Recife 2018.jpg

Cada vez que atuamos dentro de um contexto social, somos confrontados com um mundo recheado de complexidades e contradições que nos podem causar aflição e influenciar as nossas relações, a nossa participação cívica e as nossas intervenções sociais. Tudo isto pode desmobilizar-nos ou levar-nos a uma abordagem de gestão – basta que encontremos um mapa com as coordenadas precisas, os planos estratégicos e planos de ação predeterminados, que o mundo irá moldar-se às nossas ambições. Esta atuação que muitos de nós, servidores da mudança, eventualmente incorporam, impede-nos de reconhecer os mesmos aspectos sombrios do nosso inconsciente que alimentam os processos vivos dos organismos sociais. As nossas respostas geralmente indicam a necessidade de controlar a vida. Mas as nossas próprias tentativas de “gerir” esses caminhos podem estar a criar os “problemas” que então nos dominam. A maneira como estamos a responder às múltiplas crises do nosso tempo pode muito bem fazer parte da própria crise. O nosso desafio pode ser que, para efetivar mudanças, nos tornemos tão instrumentais nas nossas ações que exibimos os mesmos comportamentos que ameaçam o tecido vivo do nosso mundo.

Esta formação destinou-se a cidadãos/ãs das mais diversas áreas de atuação, que estão interessados/as em praticar – e também construir de forma colaborativa – a arte da atuação e intervenção social, a partir de uma perspectiva mais humana e orgânica.

Apresentamos uma entrevista realizada com a equipa de formadores onde se desvenda um pouco do que se iria explorar durante o curso. Para visualizar siga este link.

A equipa
Este workshop foi liderado por Allan Kaplan e Sue Davidoff da Iniciativa Proteus da África do Sul, uma iniciativa global que trabalha para desenvolver abordagens verdadeiramente alternativas e radicais para práticas socio-ecológicas e educacionais que melhorem a vida.

Allan Kaplan e Sue Davidoff são profissionais de desenvolvimento, professores e escritores. Eles são os autores de, entre outros, The Development Practitioner’s Handbook e Artists of Invisible, e The Learning School, respectivamente: juntos eles escreveram A Delicate Activism. Eles trabalham internacionalmente fora de The Proteus Initiative – http://www.proteusinitiative.org/ (baseado em Cape Town, Africa do Sul), fundado como um veículo para o desenvolvimento dos métodos orgânicos e holísticos de J.W. von Goethe numa nova compreensão e abordagem para a esfera da renovação social. O seu trabalho é uma tentativa de perceber as consequências completas da verdadeira participação, da complexidade sócio-ecológica e de uma consciência emergente que mantém a liberdade e a responsabilidade como uma polaridade generativa na busca da totalidade. Juntos, também estabeleceram a região selvagem de Towerland na África do Sul como um espaço para a natureza e para a aprendizagem que pode vir através da imersão e da comunhão com a natureza.

Local – Biovilla (Parque Natural da Arrábida, Palmela)

Organizado em colaboração com a Comunidade de Empreendedores Evolucionários João Sem Medo.

JoãoSemMedo_Logo

A Delicate Activism – An Invitation Towards a Practice that is Alive

2018_02_InternationalCourse.jpg

6th to 10th of February 2018 (Full working days in residential format)

The instrumental nature of much contemporary social activism has become a contributing factor to – rather than a resolution of – the rapid and escalating social and ecological crises that beset our world. Our urgency to achieve change often unfolds a calculative, strategic mindset; results, rather than process, become primary. Yet a closer look at how life actually lives reveals that means are the ends that we arrive at – that our points of departure foretell our places of arrival.

The approach introduced in these five days offers the possibility to understand and work with radically different, more appropriate, more organic approaches to social and ecological process and practice. To work in ways that are respectful of the complexity and true nature of our challenges. Encountering the problems we face in the world today requires the exercise of a responsive creativity premised on our own transformation in the process of engagement. This, we suggest, is built through the disciplined practice of observation as it enters the living processes through which life on earth unfolds. These five days introduce a grounded, aware, engaged and imaginative interpersonal practice.

We are happy to share an interview with the facilitators, Allan Kaplan and Sue Davidoff where they unfold some of the aspects of their work that will be explored with us in February 2018. Just follow this link.

Pratical Information:
Location: Biovilla is a project of agro-tourism inserted in Arrábida Natural Park which aims to be a “living example” of sustainable practices, offering the possibility of a deep individual and group immersion.
http://www.biovilla.org/biovilla-eng

 

Hosts Bios

Allan Kaplan and Sue Davidoff are development practitioners, teachers and writers. They are the authors of The Development Practitioner’s Handbook and Artists of Invisible, and of The Learning School, respectively; together they have written A Delicate Activism. They work in the field of social phenomenology, drawn more specifically from the approach and methods developed by JW von Goethe. Their activism includes the leading of long-term and accredited programmes in Reflective Social Practice (which some call a Delicate Activism). Their work is an attempt to realise the full consequences of true participation, of socio-ecological complexity, and of polarity in the generative quest for wholeness. They have established the Proteus Initiative (www.proteusinitiative.org) as a vehicle for doing this. They have also established the Towerland Wilderness Retreat (www.towerlandwilderness.org) as a space for nature and for the learning that may come through immersion in, and communion with, nature.